Sotaque destoa em "Novo Mundo"

Olá, internautas

A TV Globo estreou, na última quarta-feira (22/03), “Novo Mundo”. A nova novela das seis, de Thereza Falcão e Alessandro Marson, substitui “Sol Nascente” que, realmente, não deixará saudade. A emissora erra ao exibir o primeiro capítulo em uma quarta-feira. Uma quebra de hábito totalmente desnecessária.

Até aqui, “Novo Mundo” mais parece uma continuação de “Liberdade, Liberdade”. E tal percepção é ressaltada pela direção artística de Vinícius Coimbra. Ele dirigiu a trama de Joaquina e agora tem a missão de retratar a Independência do Brasil.

Nestas produções de época, fico profundamente incomodado com os velhos e repetidos estereótipos. Dom João VI é o comilão de frango. Dom Pedro I é o garanhão. E por aí vai. Dom João VI deveria ser mais valorizado. Foi um líder importante para o Brasil. Suas obras permanecem até hoje, como o Jardim Botânico e a Biblioteca Nacional.

Por outro lado, é louvável valorizar a Imperatriz Leopoldina, figura relegada ao segundo plano. A novela terá o mérito de destacar a figura feminina que ajudou na construção da Independência do País. A emissora acerta ao escalar a atriz Leticia Colin para protagonizar a trama. Sai da mesmice da panelinha de sempre.

Apesar da boa produção, a qualidade da imagem realmente pode afastar o telespectador. A direção deveria fugir da coloração escura. Porém, o maior ruído de “Novo Mundo” recai nos sotaques das personagens.

Caio Castro, que interpreta Dom Pedro I, aposta no sotaque português. Já Leticia adota o sotaque austríaco. Gabriel Braga Nunes, que vive o inglês Thomas Johnson, fala com o atual sotaque brasileiro. Por outro lado, Leopoldo Pacheco fala com sotaque inglês ao interpretar o pirata Fred Sem Alma. É uma miscelânea que compromete o desenvolvimento da novela.

Até aqui, Chay Suede e Isabelle Drummond aparecem como os principais destaques da produção. Anna e Joaquim já ganharam a simpatia do telespectador logo no primeiro capítulo. A boa parceria em “A Lei do Amor” reaparece agora em “Novo Mundo” sem trazer rastros da primeira fase de Helô e Pedro.

“Novo Mundo” não pode cair na cilada de conquistar a crítica e não o apelo popular.  

Fabio Maksymczuk

PS: caso esta página não seja mais atualizada, estamos em www.blogfabiotv.blogspot.com  



Escrito por Fabio Maksymczuk às 22h34
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Bomba agita telespectadores da TV paga

Olá, internautas

Uma grave notícia agita os telespectadores da TV paga. Nesta sexta-feira (24/03), Reinaldo Gottino e Sonia Abrão revelaram que o sinal do SBT, Record e RedeTV! não será disponibilizado nas operadoras NET, Sky, Vivo, Oi, Claro e Embratel.

“Estas empresas se recusam a negociar os direitos de transmissão, ao contrário do que já fazem com grupos estrangeiros e até com outras emissoras nacionais”, informa o comunicado. Uma bomba que agita os preparativos para o desligamento da TV analógica em São Paulo e região.  

“Lamentamos a falta de diálogo das operadoras, o que impediu um acordo que respeitasse o desejo do público brasileiro”, conclui a mensagem que mexeu com o telespectador.

Já há uma grande reclamação da ausência da TV Gazeta na Sky. Imaginem se, de fato, a NET perder as três emissoras. Eu sou assinante desta operadora. Ficará uma grande confusão. Para sintonizar SBT, Record e RedeTV!, terei que ir ao quarto com a TV digital (ainda estou na analógica, mas já comprei o conversor). Na sala, a TV, que tem a NET, só pegará a Cultura, Globo, Gazeta e Band, dos canais abertos. Uma autêntica aberração. Um autêntico desrespeito.

Como ficará o telespectador da TV paga sem Silvio Santos aos domingos, maior tradição da TV brasileira? E na RedeTV!, sem acompanhar os fatos e boatos de Sonia Abrão? E na Record, sem acompanhar “Domingo Espetacular”, Rodrigo Faro e “O Rico e Lázaro”? Atrações com grande apelo popular.

Esperamos, sinceramente, que as operadoras, SBT, Record e RedeTV! entrem em um acordo justo. O telespectador não pode ser o maior prejudicado deste conflito. A pluralidade de canais é essencial para a maior democratização dos meios de comunicação.

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 22h31
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


"O Céu É o Limite" estreia sem empolgar na RedeTV!

Olá, internautas

A RedeTV! movimentou a programação de sábado. Após as mudanças no SBT, com o cancelamento do Sabadão de Celso Portiolli, e na Record, com a saída do Legendários neste dia da semana, a emissora escalou “O Céu é o Limite” para a faixa das 22h30. O canal inverteu o horário do “Operação de Risco” que agora vai ao ar após às 23h15.  

A novidade de Marcelo de Carvalho substitui o “Mega Senha”, uma das melhores atrações já exibidas pela RedeTV! ao longo de sua história. Portanto, a missão é ingrata para “O Céu É o Limite”.

E mais ingrato ainda é utilizar o mesmo nome da atração do inesquecível J. Silvestre, programa que faz parte da história da TV brasileira. Absolutamente, certo! Tive o prazer de acompanhar o comunicador pela TV Manchete no “Domingo Milionário”.  

Na nova atração da RedeTV!, o que vale é a sorte. Mais que a sabedoria. São perguntas esdrúxulas. Muitas de conhecimento inútil. Ao invés de estimular os “arquivos” do participante, surgem questões que provocam apenas o “chutômetro”. E se acertar entre as alternativas, passa de fase. E há ainda a ‘colaboração” dos famosos que também encaram a missão.

É mais um formato importado pela TV brasileira. Desta vez, a direção da RedeTV! buscou a nova atração diretamente da Itália.

Marcelo de Carvalho agora tem mais oportunidade de interromper e não atrapalhar os desafiantes.

Até aqui, “O Céu É o Limite” não empolgou. “Mega Senha” deixa saudades.

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 12h10
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Violência desmedida marca estreia de "O Rico e Lázaro"

Olá, internautas

A Record TV estreou “O Rico e Lázaro” nesta segunda-feira (13/03). A nova novela sucede “A Terra Prometida”. Sidney Sampaio aproveitou a oportunidade e se destacou a liderar a continuação de “Os Dez Mandamentos”. Josué sempre será lembrado em sua carreira.

Apesar disso, “A Terra Prometida” foi uma novela com texto pesado. O autor Renato Modesto apostou em um ritmo que fugiu do estilo de Vivian de Oliveira. A direção geral de Alexandre Avancini também foi truncada. Mesmo assim, ficou ao redor dos 15 pontos. Índices bem satisfatórios para a emissora da Barra Funda. Mesmo assim, “A Terra Prometida” desgastou a faixa horária.

“O Rico e Lázaro” herda esta situação.  Já nestes primeiros capítulos, demonstra mais vigor com um texto mais leve e envolvente de Paula Richard. Porém, a produção da Casablanca parece apostar em um formato fechado para qualquer novela com base em textos religiosos. “O Rico e Lázaro” transfigura como uma continuação de “A Terra Prometida”. Mesmos figurinos. Mesmos cenários. Mesma qualidade de imagem. E isso é gravíssimo.

Quando a Record era responsável pela produção de suas produções, havia uma nítida diferença entre “Rei Davi”, José do Egito”, “Sansão e Dalila”, A História de Ester” e “Os Dez Mandamentos”. Cada história, tinha suas peculiaridades.  E isso, até aqui, não foi visto na nova aposta em comparação à trama anterior. Sendo que há uma diferença de centenas de anos entre Josué e profeta Jeremias.

Além disso, nestes primeiros capítulos, a direção de Edgard Miranda assustou o telespectador com cenas violentíssimas. Dois jovens foram mortos esfaqueados, ao mesmo tempo, por uma espada. Sangue jorrou na tela. Flechas por todos os lados. O horror de Nabucodonosor II com o povo judeu ficou descontextualizado. E os índices de audiência começaram a cair. Isso precisaria ser melhor trabalhado, como ocorreu em ”Rei Davi”.

Nestes primeiros capítulos, mais uma vez, Vitor Hugo brilha ao interpretar o profeta Jeremias. Lembra em nada o malévolo Corá de “Os Dez Mandamentos”. Até o olhar é outro. Ator maravilhoso. Nesta primeira fase, o jovem Rafael Gedú se destaca com o carisma transmitido pelo personagem Asher.

Uma das surpresas de escalação surge com o “ex-carrossel” Guilherme Seta. Tirar a imagem de Davi em Hurzabum é uma das tarefas mais complicadas. O ator-mirim estaria à procura de Valéria no período Antes de Cristo?

Veremos em “O Rico e Lázaro” se a terceirização foi uma medida acertada da direção da Record.

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 18h46
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Candidata do piroquete chama atenção no "MasterChef 4"

Olá, internautas

A Band já estreou a quarta temporada do “MasterChef” versão amadores. A emissora emenda uma temporada à outra sem respiro.  Explora o formato ao máximo. Sem receio em desgastá-lo prematuramente. Neste ano, um fato chama a atenção. O chef Erick Jacquin aparece em dose dupla na Band. No “MasterChef” e no seu “Pesadelo na Cozinha”. Fica estranho.

Até aqui, a atração exibe as seletivas. Candidatos bizarros, ao estilo “Ídolos”, já deram o ar de sua graça, como o gaúcho que mal sabia preparar um chimarrão para Paola. A chef continua exuberante no MasterChef.

Já Henrique Fogaça aposta na imagem de durão. Surgiu uma candidata (evangélica) que ficou com “calor na bacurinha”, como diz Maria Alcina, ao ver seu “homem com cara de homem”.  

A participante mais inusitada desta edição já foi eliminada, mas deixou sua marca indelével. A consultora financeira Adriana revelou que sonha em liderar um programa sobre comidas sensuais e afrodisíacas.

Durante o bate-papo, a moradora de Curitiba falou que os cariocas gostam de croquete, mas ela gostaria de ensinar a receita do piroquete! “Gosto de cozinhar pratos que mexam com o amor e o tesão”, exclamou. Apostaria em uma versão MasterSexy.

A cinquentenária perdeu justamente na prova que envolvia ovos! Ela não soube mexer os ovos. Piada pronta!!!!

“MasterChef” é um dos meus programas preferidos na TV brasileira. Assistirei.

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 22h22
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Ar artificial compromete boa produção do "Fábrica de Casamentos"

Olá, internautas

O SBT estreou, recentemente, “Fábrica de Casamentos”. A querida Chris Flores e o chef Carlos Bertolazzi comandam a nova atração. A ideia é produzir a cerimônia do casamento em uma semana.

Os apresentadores contam com a colaboração dos especialistas Junior Mendes, Robson Jassa, Elisa Tavares, Beca Milano, Lucas Anderi e o carismático Hugo Grassi, vice-campeão do Cozinha Sob Pressão 2. O telespectador da faixa das 21h30 dos sábados já conhece a parceria entre Bertolazzi e Grassi. Foi um tremendo acerto.

“Fábrica de Casamentos” é bem produzido. Festas que custam centenas de milhares de reais. O programa cresce a partir do casamento em si e, posteriormente, a festa com suas peculiaridades, como a presença de Eliana na confraternização da noiva. Ela é uma fã que conheceu a loira ainda criança no circo. A apresentadora soube valorizar o carinho e passou verdade na troca de energia.

Apesar da bela produção, o clima de “afobamento” transmite ar artificial no vídeo. “Nossa, ela quer um bolo pendurado? Como farei isso?”. “Ela quer um vestido de noiva de lycra?”. “Como eu faço esses churros? Estou desesperado!”.

Tal percepção “acho que não vou conseguir.. é muito difícil a missão” já tinha aparecido no “Corre e Costura”, de Alexandre Herchcovitch. Rhody tinha que conseguir um tecido raríssimo. Lá, até que tal encenação funcionava melhor.

As caras e bocas dos especialistas não convencem os telespectadores.

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 15h54
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Novo programa de Otávio Mesquita lembra Eliana

Olá, internautas

Aos poucos, retorno ao meu ritmo normal. Fiquei internado durante alguns dias no Hospital Santa Isabel. Agradeço o carinho dos médicos e enfermeiros. Fui diagnosticado com a Síndrome de Graves. Hipertireoidismo. Minha pressão arterial explodiu. Fiz uma série de exames urgentes. Agora estou melhor. Medicado. Bola pra frente. Rezem por mim.  

Hoje, falaremos sobre o novo programa de Otávio Mesquita no SBT. É o “Operação Mesquita”. A atração é um investimento. Substitui “Chaves” na grade de programação. Sucede o “Programa Raul Gil”. O SBT cria uma programação com atrações interessantes no sábado, dia corriqueiramente desprezado pela TV brasileira nos últimos anos.

Basicamente, a nova atração é formada por dois blocos. Um com famoso da própria emissora. E o outro com anônimo. Neste sábado (11/03), Otávio entrevistou Carlos Alberto de Nóbrega. Com o sucesso de “A Praça É Nossa”, o veterano se transformou em curinga em diversas atrações. Recentemente, foi ao “Domingo Legal”. Agora, reapareceu com Mesquita.

E a entrevista lembrou (e muito) a já exibida por “Eliana”. Bate-papo em um carro. Só que no dominical, “Charles Albert” tomou uma tremenda chuva no automóvel sem capô. Otávio acompanhou a rotina do apresentador. Foi até a academia de ginástica. Tenho a nítida impressão de já ter assistido a uma matéria com o entrevistado no mesmo ambiente.

Em seguida, o grisalho (que agora está de barba) entrevistou uma mulher que sonha em ter uma doceria. Em um “estúdio-móvel”. A estrutura da van lembrou (e muito) o antigo programa “Circular”, da excelente Maria Cristina Poli no Canal 21. A ideia, portanto, não é revolucionária.

Otávio, normalmente, invade as madrugadas. Ganhou agora uma oportunidade para sair do público dos insones. Isso já aconteceu no final dos anos 90 quando ele dividiu o palco do “Tempo de Alegria” com Celso Portiolli aos domingos no SBT.

“Operação Mesquita” precisa buscar pautas originais.

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 21h04
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


TNT supera Globo em cobertura do Oscar 2017

Olá, internautas

No ano passado, a TV Globo viveu um péssimo momento com Gloria Pires na cobertura do Oscar. A repercussão negativa ainda ecoa na memória dos telespectadores. Por isso mesmo, a emissora demonstrou maior preocupação ao selecionar o comentarista. Miguel Falabella ficou com a vaga. É um profissional que respeita a inteligência do público. 

Em virtude da coincidência da data com a transmissão do carnaval do Rio de Janeiro, o canal platinado exibiu um compacto na tarde de segunda-feira. Ao lado de Artur Xexéo, Christiane Pelajo substituiu Maria Beltrão  e comandou o especial que durou pouco mais de uma hora. A edição apenas pincelou os principais prêmios. Comentários brevíssimos sobre os concorrentes e vencedores.

Já o TNT, canal da TV paga, exibiu ao vivo e, também na segunda-feira, reprisou toda a transmissão. Foi uma oportunidade para aqueles que ficaram no desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro e puderam acompanhar todo o desenrolar da premiação, inclusive a confusão que manchou o anúncio de melhor filme do ano. A vitória de Moonlight: Sob a Luz do Luar ficou ofuscada pela desorganização. Agora, a Miss Colômbia ganha a companhia da equipe de La La Land.  

Rubens Ewald Filho é o grande diferencial do TNT. É o melhor crítico de cinema do País. Transparece toda sua paixão pela "sétima arte". Passa comentários embasados. Foge da linha "não sou capaz de opinar".... E o principal: não fala "abobrinhas". Não chama para si o destaque do show. Não coloca "a melancia no pescoço".

É um prazer acompanhar a cobertura liderada pelo crítico. Nos anos 90, ele, ao lado de Marília Gabriela, comandavam a transmissão no SBT que deixou saudades ao telespectador cinéfilo.  

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 20h13
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Fátima Bernardes sobressai com experiência em cobertura do Carnaval na Globo

Olá, internautas

O Carnaval 2017 rendeu momentos trágicos em plena Marquês de Sapucaí para a transmissão da TV Globo. Neste ano, Fátima Bernardes ganhou a companhia de Alex Escobar. O excelente Milton Cunha continuou a passar informações consistentes aos telespectadores sobre o desfile das escolas de samba. Pretinho da Serrinha estava por lá para falar sobre o ritmo da bateria. Comentarista desnecessário. Como sempre ressaltamos neste espaço, há um excesso de profissionais que atrapalham o show na TV. 

Sim. O desfile das agremiações fluminenses e paulistanas é um grande teatro ao ar livre. Os locutores precisam passar informações realmente relevantes. Em São Paulo, Chico Pinheiro e Monalisa Perrone continuaram a narrar a folia. Neste ano, pelo menos, ocorreram alguns momentos de "respiro" sem o falatório totalmente desnecessário dos locutores e comentaristas Celso Viafora, Ailton Graça e Alemão do Cavaco. Os telespectadores puderam sambar e ouvir o samba-enredo. É pouco, mas foi um avanço. 

Em uma determinada situação, Chico começou a falar que Monalisa é hiperativa e que não parava quieta. Ela começou a dar gargalhada. Conversa de bastidor em plena transmissão. Os comentaristas tiveram que chamar a atenção da "dupla dinâmica" para destacar o momento importante do desfile, o recuo da bateria. E tivemos outra boa evolução: o repórter Márcio Canuto pouco apareceu. Ocorreu um rodizío na equipe de reportagem. E sem aquela "neura" do cronômetro.

Neste ano, o desfile das escolas do Grupo Especial do Rio de Janeiro foi marcado por graves acidentes, principalmente com Paraíso do Tuiuti e Unidos da Tijuca. Fátima Bernardes utilizou toda a sua bagagem jornalística para cobrir o triste fato sem sensacionalismo. A apresentadora, que ganhou desenvoltura no entretenimento com o "Encontro", sobressaiu ao narrar os acontecimentos que provocaram dezenas de feridos com a evolução das escolas de samba. Folia com sangue. Uma situação delicada que foi superada pela elegância e competência da jornalista. Humanizou a cobertura. Já Escobar apostou em seu estilo leve e descontraído. Deixou Fátima liderar a transmissão. A escalação do apresentador causou estranheza. Ele é alvo de expressiva rejeição quando narra partidas de futebol. Mesmo assim, não comprometeu o espetáculo. 

Outro fato chamou a atenção. A cobertura insistiu em falar "Avenida" ao invés de "Marquês de Sapucaí", expressão corriqueiramente utilizada no carnaval. Não entendi o motivo para tal mudança. 

Fátima Bernardes merece o nosso reconhecimento. É uma profissional que valorizou o ser humano sem espetacularização no "maior espetáculo da Terra". 

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 20h36
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


RedeTV! ultrapassa limite no Carnaval 2017

Olá, internautas

A RedeTV! “causou” na cobertura do Carnaval 2017 sob comando de Nelson Rubens e Flavia Noronha. Como já se transformou em tradição, a emissora de Dallevo e Carvalho apostou nos bastidores da folia de São Paulo e Rio de Janeiro. Logo no primeiro dia, um fato ganhou repercussão.

Léo Aquilla entrevistava Ju Isen que ficou brava pela nota baixa de Geisy Arruda. Para valorizar o seu material, a modelo resolveu mostrar a bunda e agachou-se. Essa imagem estourou na tela. Repercussão geral nas redes sociais. E o pior: ela estava pintada com a bandeira nacional! Um fato constrangedor. O diretor de programação, Elias Abrão, pediu demissão depois do ocorrido.

E não para por aí. A RedeTV! escalou Agnaldo Timóteo para participar desta cobertura. No domingo (26/02), ele bateu boca com Leo Aquilla sobre o “casamento gay” que, para o cantor, não existe. Pauta de SuperPop em pleno Carnaval. Em contrapartida, Leo disse que Agnaldo não sairia do armário de jeito nenhum. Depois, Leo e seu marido resolveram mostrar o seu amor: beijaram em frente ao ex-deputado. “Eu sou conservador”, bradou o mineiro de Caratinga.

E ainda teve Andrea de Nóbrega por lá. Melhor, Andrea Nóbrega. Não há mais o “de”. Veridiana Freitas e Rogéria também “prestigiaram” a cobertura. Entre outros que aproveitaram a chance para aparecer na telinha.

Como em todos os carnavais, eu falo: Saudades da Manchete....

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 11h55
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Dudu Camargo aposta em estilo oposto de Marcão do Povo

Olá, internautas

O Departamento de Jornalismo do SBT sofreu uma reviravolta de uns tempos para cá. O “menino” Dudu Camargo foi alçado ao posto de apresentador de uma hora para outra. Por outro lado, as jornalistas Joyce Ribeiro e Patricia Rocha se desligaram da emissora. Segundo informações de Flavio Ricco, o próximo a se despedir do canal é Hermano Henning. Neste sábado (25/02), o apresentador comanda o “SBT Brasil” ao lado de Analice Nicolau.

A direção dá sinais de querer “popularizar“ e provocar burburinho com tais mudanças. Já escrevemos sobre Marcão do Povo. Agora, chega a vez de Dudu Camargo.

O “jovenzinho” comanda o “Primeiro Impacto” das 6 horas às 7h30. Silvio Santos tenta criar o seu “menino de ouro”. Porém, Bacci foi construído ao longo dos anos. Começou lá na TV Manchete em um programa infantil. Tinha seu programa de rádio. Tempos depois, foi repórter de Marcelo Rezende no “Cidade Alerta”. Construiu uma carreira.

O que não ocorre com Dudu. Antes da balbúrdia criada ao apresentar o telejornal, jamais tinha ouvido falar no rapaz. Na realidade, o posto de apresentador deveria ser o ápice da carreira de qualquer jornalista. A experiência deveria ser um peso importante para ocupar tal função.

Dudu aproveitou a oportunidade. Não é responsável pelas escolhas da direção. Em um estilo completamente oposto ao Marcão do Povo, Camargo fica estático no estúdio. Movimenta pouco por lá. Lê com sobriedade e aposta em tom solene nas chamadas das reportagens. Não esbraveja e nem chama colega de chifrudo.

Ele não segue o estilo de Rezende ou Datena. Tem uma personalidade própria. Fora do estúdio, grava o quadro “Chutando o balde”. Os cidadãos esbravejam nas ruas contra algo que incomoda. Para “descontrair”, também aposta em danças famigeradas. Isso combina em nada com o estilo adotado.

No “Primeiro Impacto 1”, há até a trilha musical do Gugu (Domingo Legal) com a chamada do Comandante Hamilton em notícias trágicas.

O mais indicado seria trabalhar Dudu Camargo. Adquirir credibilidade. É uma decisão arriscada que pode até queimá-lo.

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 20h45
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


SBT surpreende com aposta em Marcão do Povo

Olá, internautas

O SBT voltou a surpreender os telespectadores. Nesta semana, Marcão do Povo estreou na tela da emissora de Silvio Santos. Agora, o apresentador comanda o “Primeiro Impacto – parte 2” entre 7h30 às 8h30. Dudu Camargo passa o bastão do telejornal.

Marcão ganhou o noticiário nacional após a polêmica com Ludmilla. A cantora, que enfrenta arranhões consecutivos em sua imagem, aproveitou o momento para denunciar racismo. Ele comentou que a artista era macaca. O apresentador enfatizou que é uma expressão regional. Demitido da Record, renasceu no SBT.  Muitos acreditavam na derrocada do comunicador. De certa forma, foi promovido.

Marcão, claramente, é discípulo de Datena. Em alguns momentos, a entonação da voz nas broncas é muito semelhante. Até fala “Coloca na Tela” para exibir as matérias. E já soltou “Para, para, para..”, inspirado em João Kleber, para a produção congelar a imagem.

Por outro lado, tem um estilo muito peculiar. É despojado no vídeo. Movimenta-se no estúdio. Já falou que “Lion”, o câmera ou assistente, tem “cara de chifrudo”. E o sonoplasta, de cavalo. Há um descontrole verbal. Até aposta na famigerada e totalmente desnecessária “Dança do Galo”. O cacarejo do galo lembra Geraldo Luis que tinha um galo no estúdio do “Balanço Geral – SP”.

No bate-papo com Dudu, Marcão falou que a mulherada acha o colega bonito. E questionou se ele é muito assediado. Pode isso, produção?

O discurso contra a insegurança pública é recorrente. Lembra os discursos do Ratinho na fase áurea. “A Polícia prende e a Justiça solta”, reclama. “As leis são fracas”, retumbou em outro momento.

Marcão apresenta as notícias de todo o Brasil. Basicamente, da criminalidade que assola o País. Não fica apenas em São Paulo. E isso é bom. Tira o caráter essencialmente paulista da emissora. O telejornal exibe diversos momentos gravados pelas câmeras de segurança.

Nas diversas afiliadas espalhadas por todo o Brasil, há diversos “Marcões”, principalmente no horário de almoço. Só que Marcão conquistou repercussão na mídia. E isso, parece, que é elemento importante para a atual fase do SBT. Criar burburinho do jeito que for.

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 23h17
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


"Luciana By Night" supera "Superpop"

Olá, internautas

Luciana Gimenez é a principal estrela da RedeTV!. Há 16 anos, a apresentadora aparece na tela da emissora de Dallevo e Carvalho. Durante todos esses anos, é inegável que La Gimenez evoluiu. Conquistou a simpatia do telespectador. Conseguiu sair da pecha de ser mãe do filho de Mick Jagger. Uma gravidez polêmica que movimentou a mídia em 99.

Na década de 2000, o “SuperPop” era diário. Agora, ganha exibição duas vezes por semana. E mesmo assim, a pobreza das pautas chama a atenção. Segunda-feira é o dia pior da atração. Recentemente, foi ao ar um debate arrastado sobre Boing Boing e Antonela, do “BBB4”. Sabrina falou que teve relação sexual com a argentina. A ex-sister negou. Um papo furado que acrescentou em nada ao telespectador.

Na semana seguinte, criou-se uma celeuma sobre o marido de Leo Aquilla. Chico Campadello gosta de se travestir de mulher! Vai vendo...E nesta segunda-feira (20/02), Gimenez recebeu ex-realities que participaram do BBB, Fazenda e Power Couple. Lista dos Top 5 de confusão, dos ex-confinados que alcançaram sucesso, entre outras listas de encheção de linguiça.

Enquanto o “SuperPop” vive uma crise de pauta, o “Luciana By Night” cresce a cada semana com a evolução de Gimenez como entrevistadora. Há momentos engraçados. Outros de emoção. A entrevistadora conseguiu tirar confidências interessantes de Isabel Fillardis. Ela tem um filho com síndrome de West. Tirou a emoção da atriz, sem sensacionalismo, que falou sobre o primeiro sorriso do pimpolho. E ainda teve bons bate-papos, há menos de um mês, com Luciano Szafir e Rogéria.

“Luciana By Night” poderia ser uma referência para o “SuperPop” que precisa se reinventar.

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 23h37
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Vergonha alheia: Portiolli copia Encrenca

Olá, internautas

A programação de sábado sofrerá mudanças neste ano na Record e SBT. Já comentamos, neste espaço, sobre a migração do apresentador Marcos Mion para a sexta-feira na emissora da Barra Funda.

Agora, chegou a vez do SBT. Nos intervalos comerciais, o canal de Silvio Santos já alardeia que o “Roda a Roda” e o “Show do Milhão” serão exibidos neste dia da semana com crianças de até 12 anos. Interessante.

Enquanto isso, o “Sabadão com Celso Portiolli” continua no ar. A atração perdeu o rumo e, se sair do ar realmente, não fará falta. De uma forma constrangedora, Celso Portiolli comanda o quadro “Top Zap”. Uma cópia descarada do “Zap Zap” do “Encrenca”, da RedeTV!. O apresentador, sem pudor algum, narra os “vídeos mais engraçados”. O bloco constrangedor dura inacreditáveis 20 minutos no ar. É exatamente no mesmo estilo do humorístico da emissora de Dallevo e Carvalho.

Não há criatividade alguma. Por isso mesmo, Tatola disparou que Celso Portiolli, na realidade, é “Celso Copiolli”, em uma entrevista recente ao “Programa do Porchat”. “Pela verba que ele tem para produzir o programa dele, é uma vergonha o que ele faz”, disparou o líder do Encrenca na atração da Record TV.

Celso Portiolli já está há mais de 20 anos no SBT. E até hoje não construiu uma identidade própria. Ainda bem que Silvio Santos valorizou Raul Gil, apresentador com lastro na TV brasileira. Boatos alardeavam que Portiolli comandaria a faixa do “Seu Raul”.

E para piorar a situação, Portiolli amarga baixos índices no “Domingo Legal” e prejudica “Eliana” ao entregar índices de audiência abaixo da meta.

Para reflexão.

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 23h45
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Marcos Mion anuncia mudança arriscada

Olá, internautas

Nesta quinta-feira (16/02), Marcos Mion, no Twitter, anunciou, oficialmente, a nova fase do “Legendários”, a partir de 10 de março.

Com a chamada “ATENÇÃO PARA ESSE RECADO MUITO IMPORTANTE E ESPECIAL!!”, o apresentador ressaltou em um vídeo: “Estou muito feliz e muito honrado por ter sido convocado para trazer essa nova vida para sexta-feira”.

Isso mesmo. A atração, que incomoda o Altas Horas, sairá das noites de sábado para sexta-feira. Serginho Groisman agradece. SBT também entra em comemoração. Uma estratégia arriscadíssima da emissora da Barra Funda.

“Legendários” firmou-se aos sábados, após um início cambaleante. O próprio Mion já disse que faz o programa especialmente para o público de sábado à noite. Agora, às sextas-feiras, é um novo reinício, completamente desnecessário.

Muito dificilmente, “Legendários” alcançará a liderança como ocorre com o atual “Geraldo Brasil”. Dois dígitos nos índices de audiência também é outro desafio.

A Record já tentou apostar, nesta mesma nova faixa do “Legendários”, com o “Me Leva Contigo”, de Rafael Cortez. O programa não era ruim e foi mal no IBOPE. Teoricamente, é o mesmo público que Mion trabalhará e terá que espraiar.  

Agora, é acompanhar.

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 22h47
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
 
Sobre o autor
Fabio Maksymczuk de A. Brito é jornalista formado pela Universidade Mackenzie e Relações Públicas pela USP. Desde 2004, Fabio escreve sobre a TV brasileira no FABIOTV que atualmente integra o Blogs Legais do UOL. O jornalista é membro da APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes) e colunista do Portal Imprensa.

Sobre o blog
O blog FABIOTV tem por objetivo discutir a programação da TV brasileira. Novelas, realities, programas de auditório, jornalísticos, esportivos e as últimas novidades da mídia eletrônica ganham destaque.

 
Histórico


 
Outros sites