AVISO IMPORTANTE - Atualização do blog FABIOTV

Amigos e amigas,

Informo que o site FABIOTV retornará a ser atualizado em 1º de dezembro. Desvendarei a nossa capital federal Brasília. Pretendo conhecer o Congresso Nacional, Palácio do Planalto, Memorial JK, Museu Nacional, Palácio do Itamaraty, entre outros destaques da cidade. O blog FABIOTV será atualizado, excepcionalmente, neste período em duas oportunidades.

Na próxima semana, divulgarei a análise sobre o encerramento da novela "O Rico e Lázaro". Na outra semana, publicarei minhas primeiras impressões sobre o início de "Apocalipse".

Participe da enquete no site FABIOTV. Começaremos a eleger os melhores do ano.

Qual é o melhor talent show da TV brasileira em 2017? Bake Off Brasil,  Dancing Brasil, MasterChef ou The Voice Kids? Vote! www.fabiotv.com.br

Até o retorno!

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 20h13
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


RedeTV! celebra 18 anos sem honrar herança da Manchete

Olá, internautas

Nesta quarta-feira (15/11), a RedeTV! celebra a maioridade. A emissora de Amilcare Dallevo e Marcelo de Carvalho chega aos 18 anos. Em 15 de novembro de 1999, havia uma grande expectativa para o início da transmissão da nova emissora. Nos dias da véspera, um cronômetro marcava as horas para a inauguração da sucessora da TV Manchete.

O imbróglio começou com o esfacelamento da emissora da Família Bloch. Uma ferida que ainda não cicatrizou na TV aberta. O canal “aconteceu, virou manchete” deixou milhares de telespectadores órfãos. A Igreja Renascer em Cristo assumiu, em um breve período, o controle do então “canal 9 de São Paulo”. Aliás, a bispa Sonia Hernandes sumiu da grande mídia nos últimos anos.

Para evitar mais uma emissora evangélica, o governo federal, sob comando do presidente Fernando Henrique Cardoso, concedeu o canal para os sócios da “TeleTV”. O canal entrou com a premissa de exibir uma programação da TV paga na TV aberta. A ex-apresentadora da TV Globo, Valeria Monteiro, comandava o requintado “A Casa É Sua”, progenitor do atual “A Tarde É Sua” que representa a imagem da RedeTV! na atualidade. Uma emissora preocupada com as fofocas do “mundo artístico”.

Lá em 99, Dallevo e Carvalho surgiram como uma opção para a não entrada de mais uma emissora evangélica. No entanto, o futuro foi ingrato. O canal aluga grandes faixas da programação para “atrações” das Igrejas neopentecostais.

A TV Manchete deixou obras-primas para a teledramaturgia nacional. “Pantanal” é o maior símbolo. E a RedeTV!? Em 18 anos, somente o “Pânico na TV” e a novela “Betty, a Feia” deixaram rastros significativos para o veículo de comunicação. A Manchete tinha uma programação variada. Oferecia boas opções ao público. A RedeTV!, infelizmente, não.

A possível saída de Amaury Junior da RedeTV! simboliza o atual momento dos 18 anos do canal que vive no traço nos índices de audiência. O marco da maioridade deveria servir como um momento de reflexão.  E urgente mudança de rota.

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 21h41
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Perguntas e respostas superpovoam programação dominical do SBT

Olá, internautas

A programação dominical da TV brasileira, cada vez mais, é empobrecida. São os mesmos chororôs. Muita “emoção”. “Histórias de vida”. As produções demonstram pouca criatividade.

Para escapar das “lágrimas”, o SBT apostou no jogo de perguntas e respostas. A “gincana” sempre foi interessante, mas há um excesso na grade de domingo na emissora de Silvio Santos.

Celso Portiolli, com caras e bocas, comanda “Comprar é bom, levar é melhor”. O apresentador lidera a competição diretamente de uma loja da Havan. O quadro até é interessante. Lembra o “Show do Milhão”. Faz uma boa propaganda da marca. Não é forçado. Perguntas bem “boladas”.

Já mais tarde, Silvio Santos apresenta o programa “Jogo das Fichas”. É outra gincana de perguntas e respostas. Só com a peculiaridade de ser muito mais fácil para o desafiante. Vejam: “Quem é considerado o maior inventor de todos os tempos? Thomas Edison ou Dudu Camargo?”. Ou então: “Qual personagem dos desenhos animados foi criado por Walt Disney numa viagem de trem? Mickey Mouse ou Marquito?”. Socorro!

Imediatamente em seguida, surge o quadro Bolsa Família no “Programa Silvio Santos”. O animador volta a disparar perguntas para uma família. Há até questões com algum grau de dificuldade, mas o comunicador ajuda os clientes da Jequiti. Ele começa a analisar as opções e responde. Perde totalmente a graça.

Dentro dos dominicais do SBT, mais de duas horas da programação, pelo menos, são dedicadas ao jogo de perguntas e respostas. Está exagerado. Criatividade zero.  

 

 

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 23h55
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


"Jornal da Globo" precisa entrar em nova fase sem William Waack

Olá, internautas

Nesta semana, William Waack foi tragado em uma polêmica eclodida nas redes sociais. Após a divulgação do suposto vídeo com declarações racistas (a veracidade ainda está sendo investigada), gravado no ano passado durante a cobertura das eleições norte-americanas, a TV Globo fez questão de divulgar um comunicado oficial sobre o imbróglio.

“A Globo é visceralmente contra o racismo em todas as suas formas e manifestações. Nenhuma circunstância pode servir de atenuante. Diante disso, a Globo está afastando o apresentador William Waack de suas funções em decorrência do vídeo que passou hoje a circular na internet, até que a situação esteja esclarecida”, enfatizou a assessoria de comunicação do canal platinado.

Este espaço, há algum tempo, já ressalta sobre o comportamento de Waack à frente do telejornal noturno. O “Jornal da Globo” transformou-se em palco da oposição e fomentador do impeachment da presidente Dilma Rousseff. Waack passou a imagem de ser um dos líderes da oposição na mídia ao governo da petista.

Os princípios norteadores do bom jornalismo, com a pretensa objetividade, não integravam o escopo do noticiário, principalmente neste momento delicado da política brasileira que desaguou em Michel Temer como “presidente” e consequências nefastas para a sociedade brasileira.

Com a possível saída do apresentador, o “Jornal da Globo” precisa entrar em uma nova fase que priorize uma cobertura menos tendenciosa sobre o desenrolar do ambiente político brasileiro.

Heraldo Pereira é o nome natural para assumir o posto de comandante do “Jornal da Globo”. E ainda a emissora daria um “tapa de pelica” no grisalho, se confirmada a declaração nada lisonjeira. Christiane Pelajo, que foi alijada da bancada do “JG”, poderia retornar triunfante.

Os flagrantes que macularam a imagem de Boris Casoy e William Waack demonstram como os “formadores de opinião” precisam evoluir como seres humanos. Triste. Sinto pena.

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 22h08
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Angélica retrocede com "Vídeo Game"

Olá, internautas

A TV Globo resolveu interferir na programação vespertina. Diante das derrotas consecutivas do “Vídeo Show” para o quadro A Hora da Venenosa do “Balanço Geral”, principalmente aqui em São Paulo, a emissora platinada escalou Angélica com o seu antigo “Vídeo Game”.

A apresentadora que, neste ano, enfrentou mudanças no “Estrelas” aos sábados, agora volta ao ar diariamente. A loira comandou a competição das celebridades da TV Globo entre 2001 e 2011. Saiu do ar sem deixar saudade.

O formato já emperrava diante do desgaste. Por isso, a notícia do retorno do “Vídeo Game” já emitiu sinal amarelo. E o sinal vermelho surgiu logo na reestreia. As fofocas de Fabiola Reipert derrotaram o jogo com Fernanda Souza, Thiaguinho, Mariana Souza e Camila Queiroz.

Na realidade, o engendramento do “Vídeo Game” funcionava tempos atrás na TV brasileira. Hoje, em 2017, tal atração não consegue atrair grande atenção do telespectador. Há um cansaço do formato. O quadro cheira a naftalina.

A TV Globo deveria reavaliar a estrutura do “Vídeo Show” por completo. Já defendemos neste espaço, há tempos, que Angélica deveria ser a comandante do programa vespertino. A linha “propaganda oficial da programação” tem que ser abolida. O formato do antigo “Estrelas” poderia ser empregado. Entrevistas para mostrar o outro lado do ator ou da atriz. Trazer artistas do passado da emissora.

Toda a especulação que ronda o nome de Luciano Huck, em uma possível candidatura nas Eleições 2018, afeta também a imagem de Angélica. A impressão é que a TV Globo não sabe o que faz com a apresentadora. Troca a horário do Estrelas, altera o estilo da atração de sábado e agora resgata um programa que estava no fundo do baú.

O atual Estrelas começa a não sustentar os índices herdados da reprise do “Sai de Baixo”, programa dos anos 90. Fabiola Reipert e Judite derrotam o “Vídeo Game”. Complicado.

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 20h43
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


RedeTV! enfraquece programação

Olá, internautas

A RedeTV! continua a enfrentar baixíssimos índices de audiência em grande parte da programação. Já abordamos que a locação de extensas faixas da grade horária é um dos impeditivos para a criação do efeito cascata.

“É Notícia”, um dos melhores programas da emissora, comandado pela jornalista Amanda Klein, fica escondido na grade da programação. Vai ao ar na madrugada de segunda para terça-feira, à 1 hora da manhã. Enquanto isso, o “infomercial” Medalhão Persa ganha destaque ao ser exibido diariamente às 18 horas. Complicado.

Porém, outro empecilho aparece com alguma frequência. A constante troca de horários em algumas atrações não promove a melhor fidelidade do telespectador. O ótimo “Mariana Godoy Entrevista” enfrentou um desgastante erro de estratégia.

A direção escalou o “The Tudors”, um enlatado norte-americano, na faixa das 22h30 das sextas-feiras. Jogou o programa de entrevistas após o término do seriado. A série derrubou a audiência do canal e, por consequência, prejudicou a atração da jornalista.

Diante do fenômeno, “The Tudors” saiu do ar. Mariana recuperou sua antiga vaga sem a devida divulgação. Resultado: não recuperou seus índices no IBOPE. Agora, a RedeTV! apostou no “Documento Verdade” para a programação da sexta-feira. Inicialmente, entrava na faixa das 23h15. Não satisfeita, a RedeTV! alterou o jornalístico novamente de horário. Agora, entra na faixa das 22h30. Mariana voltou para 23 horas. Além disso, "Mariana Godoy Entrevista" não recuperou seu tempo de exibição original. Outro erro.

E o que falar do “Ritmo Brasil”? Praticamente a cada sábado, o programa de Faa Morena entra em um horário diferente. 18 horas. 18h30. 19 horas. 16 horas. No último sábado (04/11), foi ao ar às 14 horas.

O hábito do telespectador é desrespeitado.  

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 00h46
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Adnet entrevistador desaparece em "Adnight Show"

Olá, internautas

Na última semana, a TV Globo estreou “Adnight Show”. No ano passado, Marcelo Adnet comandou o “Adnight” que não caiu nas graças do público. O programa apostava em um formato mais “engessado”. Adnet aparecia na verve de um entrevistador. Com entrevistado no sofá.

Agora, o esquema já foi abolido nesta “reestreia”. O humorista aparece mais solto no palco. Não há sofá. Não há bancada. O estilo “Tá no Ar” surge mesclado com as brincadeiras da atração. Esquetes com os convidados da noite recheiam o programa. Fernanda Gentil, Joelma e Renato Góes contracenaram com Adnet em quadros, como “Os Dias Continuam Assim”. Interessante.

Paródias de músicas também deram o ar de sua graça. O último momento do primeiro episódio criticou o “bisbilhotamento” e os “bafões” que envolvem os famosos. E é exatamente nesse ponto que Adnet enfrenta desgaste na imagem.

O comediante ficou exposto demais no noticiário das “celebridades”. Os boatos que envolveram o seu casamento e a separação de Dani Calabresa ainda povoam o imaginário dos telespectadores. Neste caso, a vida pessoal interferiu na imagem profissional. Adnet angariou certa taxa de rejeição.

“Adnight Show” é mais uma tentativa da TV Globo em diversificar a grade horária noturna, centrada na teledramaturgia. Adnet é um dos talentos da nova geração do humor brasileiro. “Adnight Show” deveria ser mais um programa humorístico que de auditório.  

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 20h24
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Filme "Chocante" relembra TV dos anos 90

Olá, internautas

Neste fim de semana, fui ao Shopping Cidade São Paulo e assisti “Chocante”. O filme, dirigido por Johnny Araújo e Gustavo Bonafé, é ótimo.

O longa resgata o clima das “boy bands” que fizeram sucesso nos anos 80 e 90. Dentre eles, o Chocante. Bruno Mazzeo, Lucio Mauro Filho, Marcus Majella e Bruno Garcia interpretam os atuais quarentões cujos personagens Téo, Tim, Tony e Clay fizeram sucesso nos anos 90.

Os roteiristas Bruno Mazzeo, Luciana Fregolente, Pedro Henrique Neschling e Rosana Ferrão foram felizes ao resgatar ícones da geração. A TV dos anos 90 serve como pano de fundo da história com a reconstrução do palco do “Viva a Noite”.  Há ainda um ator que imita a voz de Gugu Liberato. Hilário!

Nos diálogos dos personagens, os símbolos desta era eclodem. Pintinho Amarelinho, Banheira do Gugu, Cristina Mortágua e até a “policial-modelo” Marinara são relembradas. Em um dos melhores momentos de pura ironia, Sonia Abrão surge no telão com o programa A Tarde É Sua.

A jornalista anuncia a morte de um integrante da banda. Ótima sacada! Pedro Nieschling ainda interpreta o “egresso” de um reality show que substitui o falecido. O personagem traz o contraste entre os anos 90 e as estratégias de sucesso instantâneo do novo milênio. Há ainda Quézia, presidente do fã-clube do Chocante, interpretada por Débora Lamm.

Fiquei chocado até agora! É muito choque de amor! Rs.. Assistam. Recomendo!

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 21h07
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Tombo de Patricia Abravanel marca Teleton 2017

Olá, internautas

Pelo vigésimo ano consecutivo, o SBT transmitiu, nesta sexta (27/10) e sábado (28/10), a campanha do Teleton que arrecada fundos para a AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente). Neste ano, mais de 29 milhões de reais foram conquistados. Meta superada.

A edição 2017 ficará marcada pelo tombo de Patricia Abravanel. A apresentadora, grávida, caiu no palco da atração após um tropeço. Todos ficaram preocupados, mas ela levantou-se imediatamente. Mesmo assim, Patricia saiu e não voltou para a apresentação do show. Silvio Santos comandou sozinho o último bloco após às 22h30. Um baita susto. Nem mesmo Felipinho apareceu nesse momento, como sempre ocorreu. O rapaz surgiu na faixa com Gugu Liberato.

A edição do Roda a Roda especial, que reuniu Luciana Gimenez, Rodrigo Faro e Ratinho, foi o ponto alto da maratona beneficente. O Teleton propicia o encontro de diferentes comunicadores de diversas emissoras. Isso é ótimo.

O início da campanha resgatou a fala de Silvio Santos na primeira campanha exibida em 1998. O discurso continua o mesmo. Logo em seguida, Eliana abriu a campanha. Neste ano, a internet ganhou mais atenção com uma programação exclusiva.

O ponto negativo fica com o discurso que ressalta “a arrecadação está menor em comparação ao ano passado”. Todo ano, é o mesmíssimo falatório. Totalmente desnecessário. Nas redes sociais, circularam índices que colocaram em dúvida tal fato. Além disso, a “tropa do cheque” deveria ganhar ainda mais protagonismo. E isso é bom ao valorizar a responsabilidade social da iniciativa privada.

Além de ajudar a AACD, o Teleton transformou-se em um evento único da TV brasileira ao reunir, em um mesmo ambiente, os comunicadores que se duelam pela preferência da audiência. A solidariedade ganha espaço.

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 23h52
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Sinal amarelo aparece em estreia de "O Outro Lado do Paraíso"

Olá, internautas

Nesta semana, a TV Globo estreou “O Outro Lado do Paraíso”. A nova novela das nove, de Walcyr Carrasco com direção de Mauro Mendonça Filho, já enfrentou o sinal amarelo no primeiro capítulo.

Nos momentos iniciais, a novela mais parecia um filme do cinema independente nacional. Alguns diretores insistem em trazer elementos da sétima arte para a telinha. Voltamos a bradar o nosso velho e batido mantra: novela é novela, cinema é cinema e teatro é teatro. O ritmo ficou modorrento.

Sem comparação com o capítulo inicial alucinante de “Amor à Vida” que ficou na memória de muitos telespectadores. Uma pena.

Além disso, a novela já demonstra um sintoma que contaminou “Babilônia”, “A Regra do Jogo” e “A Lei do Amor”, três fracassos da emissora platinada. Os primeiros capítulos abusaram da maldade dos vilões. É só armação, pancadaria, ganância e ambição desmedida. Não há respiro.

Walcyr Carrasco, até aqui, só escreveu sucessos, desde “Xica da Silva”. É um dos melhores autores de novelas do Brasil. “O Outro Lado do Paraíso” precisará acertar o tom para trilhar bons índices de audiência.

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 21h04
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


FABIOTV na sede de "A Fazenda" em Itapecerica da Serra

Olá, internautas

Nesta terça-feira (24/10), tive o prazer de conhecer a sede de “A Fazenda – Nova Chance” em Itapecerica da Serra. A assessoria de comunicação da Record TV encaminhou o convite que, evidentemente, aceitei na hora.

Acompanho a atração com afinco desde a primeira temporada. É um dos meus realities preferidos. Os jornalistas credenciados deveriam ir até a sede da emissora aqui em São Paulo. 14 horas. E lá fui eu. Fica próximo de casa. Sem problemas de locomoção.  

A emissora levou cerca de 30 jornalistas até a nova sede. Em um ônibus. 50 minutos de percurso. Em um primeiro momento, fomos recebidos pelo diretor geral Rodrigo Carelli, diretor Fernando Viudez e por uma representante da Cygnus, produtora terceirizada da atração. Minutos depois, chegou o apresentador Roberto Justus.   

Inicialmente, eles comentaram os problemas técnicos da estreia e minimizaram tais “derrapadas” diante da estrutura totalmente nova da Fazenda em Itapecerica e também pela nova produção. Ficaram na defensiva. “Isso mudou em nada no programa”, enfatizou Carelli. “A Record está satisfeita com os resultados”, completou. “É uma novela com pessoas reais. Contamos a história o mais quente possível”, ressaltou o diretor.   

Depois, Justus comentou sobre as polêmicas que rondam o reality nas redes sociais. Nesse momento, entrei com algumas indagações na coletiva.  Justus enfatizou que não interfere no jogo e que a Record não arranharia sua credibilidade para proteger determinado confinado. “Estou me lixando para quem sai na eliminação”, frisou Justus. “O que isso vai mudar na minha vida?”, questionou.

Daí, relembrei que a própria Rita Cadillac enfatizou que Ana Paula Minerato segue algum roteiro passado pela direção. Justus comentou que acha divertido os “boatos” e acompanha tudo o que é divulgado pelos internautas. Também comentei sobre a declaração feita ao Marcelo Ié Ié, considerada machista por muitos. Justus revelou que conversou antes com a direção para passar o “toque” ao humorista e frisou que não foi machista.

Em seguida, o apresentador mostrou o seu camarim. Lá, há até uma minicozinha. Pelo ambiente, há televisões com imagens dos confinados em tempo real. Mesmo assim, Justus enfatizou que prefere acompanhar o que é exibido na edição da Record. Ele não dá atenção especial as 24 horas.

Justus foi muito simpático e atencioso com minha humilde pessoa. Conversou comigo de igual para igual. Olho no olho. Ele percebeu, de alguma forma, que, de fato, acompanho diariamente o reality.

JORNALISTAS DURANTE VISITA AOS BASTIDORES DE A FAZENDA 

Posteriormente, seguimos para as dependências da Fazenda. Os antigos quartos das crianças, que ocupavam a antiga sede, agora se transformaram em salas dos produtores. Dezenas de profissionais trabalhavam naquele momento.

Depois, adentramos, de fato, na sede construída para o reality. Passei pela lavanderia, academia, varanda, a temida casa da árvore, o viveiro dos animais (vi as galinhas, cabra, pavão..), oficina, área das provas e da eliminação. Ambiente muito agradável.  Desci aquela escada que divide a casa (parte de cima) e o ambiente dos animais e baia (parte de baixo). Neste momento, senti como se fosse um confinado.

Na baia, há dezenas de lâmpadas com luz forte que chega a incomodar (propositalmente). Nahim tinha comentado tal fato na live do Facebook do programa. E é verdade. Isso passa despercebido na TV. Por lá, eu vi a famosa rapadura e o biscoito de polvilho. Fiquei até com vontade de comer, mas deixei intacta para os peões. Rs...

Logo depois, entrei no ambiente dos espelhos onde os câmeras captam as imagens dos confinados na casa. São corredores completamente escuros. Os profissionais trabalham numa penumbra total. Justus ficou ao meu lado. Naquele momento, vi na minha frente Conrado que colocou seu tênis em cima do travesseiro!  Yuri e Monique estavam deitados. Marcos perambulava pela sala. Rita sentada na sua cama. Flavia e Marcelo namoravam no quarto.

Durante o meu bate-papo com Carelli e Viudez, comentei sobre a escalação de Nahim que tinha enfrentado divergências com Justus após o encerramento de “O Aprendiz Celebridades”. Carelli frisou que a escolha do peão foi proposital para dar “pimenta”.  “Justus aceitou Nahim. Nahim aceitou Justus”, ponderou Carelli. Também comentei sobre o problema de saúde que acometeu Marcelo em A Fazenda. Viudez respondeu que foi apenas uma dor de estômago. No “Power Couple Brasil”, o comediante foi afastado da gravação por problemas de saúde.

Sobre as declarações de Nahim que reclamou sobre os remédios que não estavam sendo fornecidos pela produção, Viudez observou que os médicos do programa são responsáveis pela prescrição dos remédios e sabem o que cada peão deve ingerir.

Indaguei sobre Clébis. Carelli revelou que o caseiro ainda continua contratado da Record e mora nas instalações da fazenda em Itu. De acordo com o diretor, seria complicado trazer Clébis e sua família para Itapecerica da Serra. Também comentei sobre a postura de Britto Junior nas redes sociais. Carelli enfatizou que não foi responsável pela demissão do apresentador da Record e não compreende a postura do jornalista. Relembrei sobre o boato que a fazenda em Itu sediaria uma versão do reality mexicano. Carelli confirmou que existiu o interesse da TV do México, mas o projeto não foi para frente. Os diretores também enalteceram a troca para Itapecerica da Serra. “Todos agora vão e voltam para São Paulo. Em Itu, havia despesas com hospedagem”, concluiu.

Agradeço o convite da assessoria de comunicação da Record TV. Foi uma tarde incrível.

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 23h48
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Nova aparência de Leandro Hassum chama atenção em "A Cara do Pai"

Olá, internautas

A TV Globo aposta na segunda temporada de “A Cara do Pai” na guerra dominical. Leandro Hassum protagoniza o seriado ao interpretar Théo, divorciado e pai de Duda, vivida por mel Maia. Já Alessandra Maestrini interpreta Silvia, mãe da garota. A atração explora a chamada “nova família brasileira”.

Pais separados que criam seus pimpolhos. Em um episódio recente, até um ex-casal de homoafetivos apareceu na história. Dois rapazes discordavam sobre a guarda compartilhada do cachorro Leopoldo.

“A Cara do Pai” tem uma breve duração. Cerca de 20 minutos de tempo de arte. Mal começou, já termina. Na realidade, o programa divide o “bloco” com “Os Trapalhões” que não chega a 40 minutos no ar.

“A Cara do Pai” lembra os enlatados norte-americanos. A direção e o texto relembram as “comédias de situação” importadas. O universo dos personagens traz símbolos da classe média. Apesar disso, o que mais chama a atenção é a nova aparência de Leandro Hassum.

O comediante passou pela cirurgia bariátrica. Ótimo procedimento para a saúde. É inegável tal constatação. Porém, o novo visual criou um ruído no vídeo. O comediante parece outra pessoa! O telespectador estranha o “novo” Hassum. Isso não ocorreu com André Marques e até mesmo com Fausto Silva que há décadas surgia acima do peso na mídia.

Leandro Hassum está com a cara de outro pai.

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 22h00
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


"A Força do Querer" termina como grande novela da década

Olá, internautas

Nesta sexta-feira (20/10), a TV Globo exibiu o último capítulo de “A Força do Querer”. Missão dada. Missão cumprida. Assim, simboliza a conquista de Gloria Perez, direção e equipe. A autora e demais companheiros de jornada elevaram os índices de audiência da então combalida faixa horária, a mais tradicional da TV brasileira.

A emissora platinada retornou para a casa dos 50 pontos com “A Força do Querer”. A novela demonstrou a força da Globo nos lares brasileiros. Sempre ressaltamos neste espaço que Gloria Perez é a melhor autora de telenovelas do Brasil. E ela justificou o título com uma obra competente que envolveu o telespectador. Também é importante salientar a direção de Rogerio Gomes que trouxe um bom ritmo no desenvolvimento da história.

Gloria trouxe conjunto e harmonia ao texto. Fato que sempre cobramos neste espaço. Em outras novelas, há retalhos de diferentes autores e colaboradores que formam um capítulo desalinhado. Gloria escreve sozinha as suas obras. Trabalho redobrado, mas recompensador ao público.

“A Força do Querer” termina como uma das três grandes novelas da década. Todas as histórias foram contadas com um ritmo que não deixou a famosa “barriga”. A estrutura do roteiro fugiu do tradicional núcleo principal irrigado por histórias paralelas. Bibi, Jeiza, Silvana, Ivan/Ivana, Ritinha e até a antagonista Irene formavam um conjunto de protagonistas da novela sem uma atrapalhar a outra. Todas brilharam ao mesmo tempo.

Antes do nosso tradicional balanço com os pontos positivos e negativos, gostaria de deixar alguns registros. Fiuk, que interpretou Ruy, foi alvo de uma campanha negativa nas redes sociais. Discordo do achincalhamento sofrido pelo rapaz. O ator desempenhou um trabalho correto e não comprometeu a novela.  Nitidamente, evoluiu em comparação a trabalhos anteriores. Já Maria Fernanda Cândido também cumpriu sua missão ao trazer sua feminilidade, impregnada em Joyce, para duelar com a masculinidade de Ivan/Ivana.

Segue o nosso balanço final.


PONTOS POSITIVOS

Juliana Paes (Bibi): a atriz viveu o auge de sua carreira ao encarnar Bibi “Perigosa”. Uma personagem que demonstrou a competência da estrela da TV Globo. A atriz trouxe a humanidade da mulher que escolheu um caminho e pagou as consequências.  A novela não glamourizou o mundo do crime. Ao contrário. “A Força do Querer” expôs uma chaga que assola a sociedade brasileira. Bibi foi punida e mereceu a redenção ao lado de Caio (Rodrigo Lombardi). Sempre torci por esse final.

Isis Valverde (Ritinha): a atriz, mais uma vez, sobressaiu. Isis sempre se destaca nas novelas da TV Globo. Realiza ótimos trabalhos um atrás do outro. O público ficou encantado com a “sereia”. Isis personificou a liberdade da mulher com a personagem.  

Paolla Oliveira (Jeiza): era visível o prazer da atriz ao interpretar Jeiza, policial e lutadora do UFC.  Viveu uma das melhores fases de sua carreira. Paolla demonstrou competência e segurança com esse trabalho. Personificou os dilemas da mulher contemporânea.  

Marco Pigossi (Zeca): um dos trabalhos mais desafiadores para o ator. Superou o desafio de encarnar um sotaque complicadíssimo. Encontrou o tom durante o desenvolvimento da história e envolveu o público que torceu pelo final feliz do personagem com Jeiza.


Carol Duarte (Ivan/Ivana): a grande revelação de “A Força do Querer”. A atriz encarnou a personagem mais desafiadora da novela. Com o texto sensível de Gloria Perez, a atriz conseguiu passar o drama de Ivan/Ivana e a questão da transexualidade que até então era incompreendida por grande parte da sociedade. Importante trabalho de conscientização no combate ao preconceito.  

Zezé Polessa (Edinalva): a atriz mostrou sua versatilidade em “A Força do Querer”. Interpretou uma das personagens mais populares da novela. Formou uma boa “tabelinha” com Tonico Pereira. Seu Abel é uma cobra caninana.... O pau te acha, Ritinha..O pau te acha... Responsável pelos bordões que caíram na boca do povo.  Ótimo trabalho.

Elizangela (Aurora): a atriz personificou a reação do telespectador ao perceber a hecatombe da filha Bibi. Elizangela brilhou ao viver Dona Aurora com uma interpretação concisa e emocionante.

Lilia Cabral (Silvana): Silvana foi a personagem que mais conquistou o seu espaço do início ao último capítulo. O talento da atriz Lilia Cabral ajudou a alavancar o drama da jogadora compulsiva.  

Betty Faria (Elvira): a atriz ressurgiu na tela em um trabalho que honrou a história da atriz na teledramaturgia. Conduziu as “peraltices” de Elvirinha com maestria.  


João Bravo (Dedé): o ator mirim emocionou o telespectador em diferentes momentos, principalmente do aniversário de Dedé que contou com apenas o amigo Yuri (Drico Alves).

Rodrigo Lombardi (Caio): o ator cumpriu a sua missão ao viver o ético Caio. Ele passa virilidade no vídeo. E, em nenhum momento, relembrou o histórico Raj na nova parceria com Juliana Paes.

Jonathan Azevedo (Sabiá): outra ótima revelação da novela "A Força do Querer". O ator aproveitou a oportunidade e demosntrou competência ao viver o traficante Sabiá.  


PONTOS NEGATIVOS

Edson Celulari (Dantas): personagem totalmente solto e desconectado. Sobrou na estrutura do roteiro. O ator ficou perdido na novela.

Bruna Linzmeyer (Cibele): apesar do final interessante, a personagem também sobrou na estrutura de “A Força do Querer”. Ficou solta e desconectada desde o rompimento do casamento com Ruy (Fiuk).

Último capítulo: o último capítulo não honrou a excelente novela que já deixa saudade. Para finalizar a história dos personagens, a edição surgiu “videoclipizada”. Pá Pum. Sem grande desenvolvimento de histórias que poderiam ainda render no vídeo.  Na realidade, faltaram alguns capítulos adicionais (pelo menos, cinco) para retratar com mais parcimônia os desfechos. Claudio viu Ivan/Ivana e ficou chocado. Logo em seguida, aceitou um beijo “chocho”. Sem grandes explicações. Estão juntos. E ponto final. E o que falar do tão aguardado “reencontro” de Ruy e Zeca? Caíram no rio novamente, acordaram e notaram o índio. Trocaram olhares e, logo em seguida, um chama o outro de irmão no Rio de Janeiro. Sem conversas. Sem diálogos entre os dois. Faltou emoção neste momento tão esperado desde o primeiro capítulo.  

Abertura da novela: a abertura da novela poderia servir para qualquer novela. Não tinha identidade alguma com a obra. A impressão passada é que pegaram cenas gravadas no Monte Roraima, de Império, juntaram com outras e pronto!

Título da novela: a autora poderia ter criado um título mais marcante para a obra. “A Força do Querer” ficou genérico.  

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 20h08
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


"Jornal da Gazeta" supera "RedeTV News"

Olá, internautas

O “Jornal da Gazeta” vive uma boa fase na emissora da Fundação Cásper Líbero. O telejornal, apresentado por Rodolpho Gamberini e Stella Gontijo, apresenta uma boa cobertura sobre os fatos que assolam a sociedade brasileira.

Diferente do RedeTV News, que perde credibilidade ao apostar nos comentários parciais de Reinaldo Azevedo, o “Jornal da Gazeta” contempla uma maior variedade de comentaristas com visões distintas. Nesta quarta-feira (18/10), por exemplo, Bob Fernandes fez uma análise muito realista sobre o processo de impeachment da presidente Dilma.  

Enquanto isso, Reinaldo Azevedo, que foi pego em uma gravação com a irmã de Aécio Neves, continua a falar do senador do PSDB no telejornal da emissora de Dallevo e Carvalho. E até defendeu a postura do Senado que protegeu o líder tucano. Constrangedor.

Enquanto Bob adota uma postura crítica ao impeachment, José Nêumanne Pinto, outro comentarista do “Jornal da Gazeta”, foi um dos maiores entusiastas da retirada de Dilma da cadeira do Palácio do Planalto. Ou seja, o telejornal contempla uma maior variedade de opiniões sobre o momento político.

Além disso, Maria Lydia que, na minha humilde opinião, deveria ter continuado na apresentação do noticiário, é responsável por ótimas entrevistas com personalidades que marcam a política nacional. A jornalista entrevistou, recentemente, Janaina Paschoal, que comentou as denúncias sobre o governo Temer, e Alberto Goldman que repercutiu o entrevero com o prefeito de São Paulo, João Doria Júnior.  

O “Jornal da Gazeta” é um telejornal que destaca a política com maior independência em comparação aos demais noticiários.

Fabio Maksymczuk



Escrito por Fabio Maksymczuk às 23h14
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Lucas Veloso sobressai em "Os Trapalhões"

Olá, internautas

“Os Trapalhões” faz parte da história da TV brasileira. TV Globo e VIVA resolveram homenagear a trupe de Didi, Dedé, Mussum e Zacarias ao trazer de volta o programa ao vídeo. Diferente da Escolinha do Professor Raimundo, a homenagem conta com os atores “originais” Renato Aragão e Dedé Santana. A dupla se mistura com os jovens Lucas Veloso, Bruno Gissoni, Gui Santana, Mumuzinho e Nego do Borel que interpretam, respectivamente, Didico, Dedeco, Zaca, Mussa e Tião.

Como este espaço vive o clima da nostalgia, recordo do humorístico aos domingos, na faixa das 19 horas, na TV Globo. Sucesso absoluto. Girava ao redor dos 40 pontos no IBOPE. Porém, sempre assisti ao animador Silvio Santos na minha infância. Eu não acompanhava os trapalhões.

Rejeitava o estilo da atração que apostava no humor politicamente incorreto, como diz atualmente. Ficava incomodado com as “piadas” que provocavam as “minorias”, termo usado nos dias atuais. Não achava graça. Eu era uma criança consciente. Jamais fui fã do Renato Aragão, mas é preciso respeitar o profissional que ajudou a construir a nossa televisão.

“Os Trapalhões” aposta na escola mais tradicional do humor televisivo brasileiro. E isso também deve ser respeitado. Uma parte considerável dos telespectadores aprecia o estilo com bordões. E isso se confirma com os índices de audiência. 14 pontos de média. Bom patamar.

Dentro desse contexto, Lucas Veloso sobressai. O ator realmente é a grande estrela desta nova leva de episódios. Ele traz brilho ao programa. Encarna, de fato, um personagem engraçado. Provoca risada no telespectador.

Veloso já tinha se revelado em “Velho Chico” e vive um ótimo momento no Dança dos Famosos. E surge como o melhor destaque em “Os Trapalhões”. O programa deveria ter sido totalmente estruturado ao redor do paraibano. Desse modo, esta “homenagem” deveria ter sido produzida apenas com os jovens atores. Há um choque entre a velha e a nova geração que não combinam na atração.

 

Fabio Maksymczuk

 



Escrito por Fabio Maksymczuk às 21h17
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
 
Sobre o autor
Fabio Maksymczuk de A. Brito é jornalista formado pela Universidade Mackenzie e Relações Públicas pela USP. Desde 2004, Fabio escreve sobre a TV brasileira no FABIOTV que atualmente integra o Blogs Legais do UOL. O jornalista é membro da APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes) e colunista do Portal Imprensa.

Sobre o blog
O blog FABIOTV tem por objetivo discutir a programação da TV brasileira. Novelas, realities, programas de auditório, jornalísticos, esportivos e as últimas novidades da mídia eletrônica ganham destaque.

 
Histórico


 
Outros sites